Consórcio

Consórcio para cirurgia plástica: Veja se vale a pena

Compreenda o que é um consórcio para cirurgia plástica, seu modo de operação, benefícios e desvantagens, e alguns cuidados a serem tomados antes de contratá-lo.

Embora haja muita procura, muitas pessoas ainda enfrentam dificuldades para pagar pelo alto valor de uma cirurgia plástica. É nesse momento que entra o consórcio de cirurgia plástica.

Esse procedimento está cada vez mais popular no Brasil. De acordo com uma pesquisa realizada pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), o Brasil é um dos países que mais realiza cirurgias plásticas.

Por isso, a seguir, mostramos como o consórcio de cirurgia plástica funciona, quem pode solicitar e se realmente vale a pena.

O que é o consórcio para cirurgia plástica?

O consórcio para cirurgia plástica é uma modalidade de compra programada com financiamento coletivo, que tem como objetivo realizar serviços de estética. Ele funciona de forma semelhante a um consórcio convencional para compra de imóveis ou automóveis, mas com a diferença de que as cartas de crédito só funcionam para financiar procedimentos estéticos.

Os consorciados podem ser sorteados ou realizar lances para antecipar a contemplação, usando o valor para pagar o procedimento e todos os serviços relacionados. Essa modalidade é uma forma planejada de realizar uma compra, especialmente porque cirurgias plásticas tendem a ter um alto custo.

O consórcio para cirurgia plástica oferece diferentes planos para cada tipo de procedimento, sem a necessidade de dar uma entrada, e não há incidência de juros. Isso permite que o interessado planeje sua cirurgia de forma mais concreta.

Apesar de ser uma categoria mais específica, o consórcio para cirurgia plástica segue as mesmas regras das demais modalidades. Os grupos são constituídos de forma semelhante, com contratos que estabelecem as obrigações e direitos do consorciado, incluindo as datas de início e término do acordo.

Porém, esse modelo tem particularidades que o distinguem dos consórcios comuns, já que o valor do crédito só se designa em serviços estéticos, não em compras de bens. Além disso, os prazos e valores do consórcio para cirurgia plástica são menores do que as cartas de crédito convencionais, já que os procedimentos podem ter um valor inferior ao de um imóvel ou veículo.

Como o consórcio para cirurgia plástica funciona?

Inicialmente, a administração do consórcio para cirurgia plástica é feita por uma empresa de serviços especializados nessa área. Dessa forma, um grupo de pessoas com interesse em procedimentos estéticos se reúnem, sendo comum que os participantes busquem intervenções semelhantes.

Cada participante deve pagar a cota estabelecida em contrato, cujo dinheiro é acumulado para disponibilizar uma carta de crédito para um dos consorciados a cada mês. Se o valor for suficiente para cobrir o serviço, o contemplado poderá realizar o procedimento.

A carta de crédito se consegue acessa-la de duas maneiras: por sorteios mensais durante a vigência do consórcio ou por meio de lances, em que o consorciado oferece um valor adicional para ter acesso à carta mais rapidamente. Se o lance for o mais alto, o consorciado também tem a chance de conseguir a contemplação.

No entanto, vale ressaltar quando escolhido não exime o consorciado de sua responsabilidade de pagar o consórcio, que apenas antecipa a possibilidade de realizar a cirurgia mais cedo. Portanto, o primeiro contemplado deve pagar o consórcio até o último mês de vigência.

Quanto custa um consórcio para plástica?

O valor de um consórcio para cirurgia plástica é variável e depende do montante que cada administradora disponibiliza. No entanto, a carta de crédito geralmente cobre as despesas médicas relacionadas à cirurgia estética, como:

  • cirurgião anestesista;
  • equipe de enfermagem;
  • local de internação;
  • profissionais de cirurgia;
  • medicamentos;
  • outros recursos necessários.

O valor também varia de acordo com o tipo de procedimento, uma vez que cada cirurgia tem sua própria complexidade e exigências. No entanto, o consorciado tem a flexibilidade de mudar de ideia e utilizar a carta de crédito para outro procedimento, se desejar, mas deve verificar as possibilidades que acompanham o uso do valor da carta com cada administradora.

A avaliação média estipula que as cartas de crédito podem variar entre R$5 mil a R$30 mil, com prazos de até 30 meses para pagamento, que é a média de mercado para procedimentos mais simples e comuns. O consorciado pode levar em conta essa cotação ao escolher o consórcio para cirurgia plástica.

Que tipo de cirurgia se realiza nesse consórcio?

O consórcio para cirurgia plástica pode ter limitações quanto aos procedimentos autorizados, por isso é necessário verificar quais são os tipos mais comuns aceitos para a utilização da carta de crédito. Veja quais tipos de cirurgia são contemplados por essa opção de pagamento:

Cirurgia de silicone

A cirurgia plástica mais frequente no consórcio é a de aumento ou levantamento dos seios, mas também inclui procedimentos como silicone para panturrilhas, braços e glúteos.

Cirurgia de nariz

A rinoplastia é um procedimento estético bastante popular que busca modificar a aparência do nariz, de modo a deixá-lo mais harmônico com o restante do rosto. É necessário lembrar que a carta de crédito cobre exclusivamente cirurgias plásticas, ou seja, intervenções no nariz para corrigir problemas de saúde ou desvios não estão contempladas.

Cirurgia de lipoaspiração

Esse processo tem como objetivo remover o excesso de gordura, geralmente na região abdominal, mas também se realiza em outras áreas do corpo com acúmulo de gordura.

Cirurgia de abdominoplastia

Esse procedimento tem como objetivo remover o excesso de pele na região da barriga, que causa um processo de emagrecimento rápido. Caso seja realizada juntamente com uma cirurgia bariátrica, pode incluir ambos os procedimentos.

Cirurgia para plástica no rosto

Engloba procedimentos como a eliminação de rugas, o lifting de pálpebras, a aplicação de produtos na testa e em outras áreas do rosto.

Cirurgia para plástica na orelha

O formato das orelhas é uma preocupação comum entre algumas pessoas, e é possível realizar esse procedimento estético por meio do consórcio para cirurgia plástica.

Como a carta de crédito do consórcio de cirurgia plástica é entregue?

Um aspecto crucial a se destacar ao considerar o consórcio para cirurgia plástica é o processo de entrega da carta de crédito ao contemplado. Isso porque esse tipo de consórcio não funciona como os convencionais, onde o dinheiro se deposita diretamente para o beneficiário.

Quando o titular for contemplado, ele deve entrar em contato com o médico responsável pelo procedimento e agendar a realização da cirurgia. Em seguida, a administradora entrará em contato com a equipe médica para realizar o pagamento.

A administradora do consórcio irá fornecer uma carta de crédito como garantia, que será posteriormente compensada com o valor correspondente em dinheiro. Dessa forma, o valor total da carta de crédito não será transferido para a conta do consorciado, mas sim entregue diretamente ao médico responsável e sua equipe.

Quais as vantagens desse tipo de consórcio?

Uma das principais vantagens do consórcio para cirurgia plástica é que não há cobrança de juros sobre o valor financiado, ao contrário de empréstimos ou financiamentos.

Outra vantagem é que o consórcio pode ser uma opção mais acessível para aqueles que não têm acesso a outras formas de crédito, como empréstimos pessoais ou cartões de crédito com limite alto.

Quais as desvantagens?

Por outro lado, quase certeza que haja algumas desvantagens associadas ao uso do consórcio para cirurgia plástica, sendo a principal delas a falta de garantia de que o solicitante consiga a contemplação da carta de crédito em um curto período de tempo.

Isso significa que, se a carta de crédito não for sorteada nos primeiros meses, pode haver um atraso na realização da cirurgia em relação ao prazo esperado.

Além disso, coloque em mente que o consórcio pode representar um comprometimento financeiro a longo prazo, já que as mensalidades podem ser pagas por anos.

Assim, é fundamental avaliar cuidadosamente se o consórcio é a melhor opção para atender às suas necessidades e se você tem condições de arcar com as parcelas do grupo.

Vale a pena o consórcio de cirurgia plástica?

A opção de consórcio para cirurgia plástica pode ser viável para aqueles que desejam fazer uma cirurgia estética, mas não possuem os recursos financeiros para cobrir o valor total do procedimento.

No entanto, é crucial avaliar cuidadosamente os prós e contras antes de decidir. É essencial escolher uma administradora de consórcios confiável e experiente. Embora o processo possa levar mais tempo, com planejamento e cautela, o consórcio para cirurgia plástica pode ser uma opção acessível para concretizar seu desejo.

Conclusão

O consórcio para cirurgia plástica é uma alternativa viável para quem deseja fazer um procedimento estético, mas não tem condições de pagar à vista. O valor da carta de crédito pode variar de acordo com cada administradora e também com o tipo de procedimento, porém ela costuma cobrir despesas médicas como equipe de enfermagem, cirurgião anestesista, medicamentos e local de internação.

Além disso, o consorciado tem flexibilidade para mudar de ideia e usar a carta para outro procedimento, se desejar. Vale lembrar que cada administradora pode ter suas próprias regras e limitações quanto aos procedimentos autorizados e que o valor da carta se parcela em até 30 meses. No entanto, é fundamental pesquisar e avaliar cuidadosamente todas as opções antes de escolher um consórcio para cirurgia plástica.

VEJA MAIS RELACIONADO:

Flávio Coelho

Meu nome é Flávio Coelho e ensino através do site Finanças Guiada tudo relacionado a negócios, cartão de crédito e finanças.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *