Investimento

Open Investment: O Que é, Vale a Pena e Como Funciona?

Como parte integrante do projeto open finance, o open investment busca aumentar a transparência das informações sobre os produtos de investimento oferecidos pelas instituições financeiras.

Dessa forma, o open investment é uma maneira eficaz para os investidores compartilharem seus dados e avaliarem se a instituição na qual estão investindo é a melhor opção para eles.

O mercado financeiro, em particular o mercado de capitais, tem atraído cada vez mais interesse das pessoas que buscam alcançar sua independência financeira.

Muitas corretoras, oferecem oportunidades e conhecimentos para que mais pessoas se tornem investidores, e o Open Investment surge como um incentivo adicional nessa jornada.

Aqueles que estão mais familiarizados com o mundo dos investimentos e acompanham nosso blog sabem da importância de encontrar boas oportunidades e diversificar sua carteira para reduzir riscos.

A criação do Open Investment trata desses e de outros aspectos que vão melhorar significativamente as condições para investidores.

Você provavelmente já ouviu falar do Open Banking ou Open Finance, que são novos projetos do Banco Central do Brasil.

É importante saber que o Open Investment é uma parte fundamental dessas iniciativas, e por isso discutiremos aqui.

O que é Open Investment?

O Open Investment é uma das partes do Open Finance que está relacionada com a expansão do sistema para o compartilhamento de dados sobre investimentos.

Isso significa que são estabelecidas diretrizes padronizadas para que as instituições financeiras possam compartilhar seus produtos e serviços e tenham acesso aos dados dos consumidores de outras instituições de forma segura e rápida, facilitando as negociações.

Para entender melhor o que é Open Investment, é interessante saber mais sobre o Open Banking, que é o projeto pioneiro do sistema financeiro aberto.

O Open Banking é a criação de um sistema padronizado de compartilhamento de dados entre instituições bancárias, permitindo que o cliente tenha autonomia e decida com quem e quando essas informações serão compartilhadas.

O projeto inicial do Open Banking prevê que os consumidores possam compartilhar dados de relacionamento bancário entre instituições e utilizar essas informações para obter serviços melhores fora do seu banco de origem.

No caso do Open Investment, a diferença está nas características dos dados compartilhados. Essa parte do projeto prevê o compartilhamento de informações sobre produtos de investimento de corretoras, além de permitir que as instituições participantes compartilhem dados de clientes, desde que haja consentimento.

Como o Open Investment funciona?

A ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), propôs ao Banco Central um escopo inicial para o Open Investment. A ideia é que, na quarta fase do Open Banking, seja permitido o compartilhamento de dados de corretoras e produtos de investimento entre as instituições financeiras.

Com o avanço do projeto, será possível que o consumidor compartilhe seus dados de forma rápida e segura, possibilitando que as instituições tenham conhecimento do relacionamento do usuário no mercado. Dessa forma, poderão ser criados produtos personalizados e condições especiais para cada consumidor.

Além disso, as instituições poderão compartilhar seus produtos de investimento de forma aberta, possibilitando que consumidores que ainda não são clientes tenham acesso às melhores oportunidades de investimento de acordo com seu perfil.

Todo o processo é feito por meio de uma API (Application Programming Interface), que garante que o compartilhamento de dados seja feito de forma padronizada e segura, seguindo as regras estipuladas pelos órgãos reguladores.

O Open Investment é seguro?

O Open Finance, que abrange o Open Banking, Open Investment e Open Insurance, é um processo supervisionado e assegurado pelo Banco Central – responsável por regulamentar e fiscalizar as práticas do sistema, em conjunto com parceiros institucionais.

A ANBIMA é uma das instituições que auxiliam na segurança do Open Investment, assim como a SUSEP no caso do Open Insurance. É importante lembrar que esses órgãos devem seguir as diretrizes estabelecidas em lei para garantir a proteção dos dados dos usuários.

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) é uma das legislações usadas para proteger os direitos do consumidor que opta por compartilhar seus dados online.

Além disso, há dois pontos importantes que garantem a segurança dos dados online: criptografia, que protege o compartilhamento, e a possibilidade de o usuário escolher quando e quais dados compartilhar, podendo interromper o compartilhamento a qualquer momento.

Mas a questão que surge é: o cliente terá algum benefício ao compartilhar seus dados no Open Investment? Vamos esclarecer agora!

Benefícios do Open Investment?

Inicialmente, é possível identificar diversos benefícios proporcionados pelo sistema financeiro de compartilhamento aberto, principalmente no que diz respeito aos produtos financeiros:

  • Ampliação da oferta de diferentes produtos financeiros;
  • Maior liberdade de escolha para o consumidor;
  • Mais oportunidades de encontrar investimentos adequados aos seus objetivos ou perfil;
  • Crescimento dos negócios para as instituições;
  • Maior transparência;
  • Surgimento de novas ferramentas para auxiliar o investidor em suas decisões;
  • Portabilidade do relacionamento entre as instituições;
  • Aumento da acessibilidade no mundo dos investimentos.

Quando começa o Open Investment?

O Open Investment será implementado a partir da quarta fase do Open Banking, que trata de dados complementares. Essa fase começará em dezembro de 2021, quando as instituições e seus respectivos produtos serão cadastrados no novo sistema. De acordo com a decisão do Banco Central, as corretoras e outras instituições de investimento poderão cadastrar produtos como:

Para as próximas fases, a ANBIMA planeja compartilhar a posição dos clientes, informações sobre produto e volume aplicado em junho de 2022 e, em dezembro do mesmo ano, os dados transacionais dos clientes (com autorização).

Vale a pena o Open Investment?

A escolha dos investimentos mais adequados ao perfil e aos objetivos financeiros do investidor, aliada à diversificação da carteira, pode levá-lo muito mais longe em suas aplicações. Portanto, é fundamental ter à disposição opções para análise.

Nesse sentido, o Open Investment vai aprimorar significativamente o sistema, proporcionando a possibilidade de conhecer as alternativas de investimento disponíveis no mercado como um todo, de modo a fazer a melhor escolha em conformidade com o perfil do investidor.

Contudo, para aproveitar plenamente os benefícios do Open Investment, será necessário buscar conhecimento. Para que esse sistema aberto possa ser utilizado da melhor forma possível em sua trajetória como investidor, é essencial manter-se atualizado acerca das notícias do mercado e procurar sempre aprender sobre as aplicações e a melhor forma de investir.

Como o Open Investment afeta o mercado de investimentos e de capitais?

As melhores ferramentas para se tornar um bom investidor são acessibilidade e conhecimento.

Há alguns anos, era difícil comprar ações sem pagar corretagem ou investir em um fundo de investimentos, pois as plataformas online gratuitas ainda não existiam e muitas pessoas temiam perder todo o seu dinheiro.

Com o aumento do conhecimento sobre investimentos e a acessibilidade das plataformas, muitas pessoas superaram esse medo inicial e começaram a investir.

De acordo com a B3, o número de investidores em renda variável aumentou em 43% em 2021.

Isso mostra que quanto mais acessibilidade e conhecimento, maior será o número de investidores dispostos a buscar retornos maiores para seus investimentos no longo prazo, deixando a poupança de lado.

Conclusão

A Open Investment representa uma grande mudança no mercado financeiro, permitindo uma maior acessibilidade e transparência nas opções de investimento. Com a abertura de dados e compartilhamento de informações entre as instituições financeiras, os investidores terão acesso a uma gama mais ampla de produtos e serviços financeiros, o que pode resultar em uma maior diversificação de suas carteiras de investimento.

Além disso, o Open Investment incentiva os investidores a buscarem mais conhecimento sobre o mercado financeiro e as aplicações disponíveis, o que pode levar a uma tomada de decisão mais informada e consciente. Acreditamos que a Open Investment é um passo importante na democratização do mercado financeiro e na promoção de um ambiente mais justo e inclusivo para os investidores em geral.

VEJA MAIS RELACIONADO:

Flávio Coelho

Meu nome é Flávio Coelho e ensino através do site Finanças Guiada tudo relacionado a negócios, cartão de crédito e finanças.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *