Seguros

Sinistro: O que é e como funciona em um seguro? Saiba agora!

Se você está procurando um seguro, é importante entender o significado do termo “sinistro”. Esse é um conceito bastante comum e que terá relevância em várias circunstâncias.

Compreender o que é “sinistro” vai além de um seguro específico, pois esse termo está relacionado a qualquer forma de proteção.

Portanto, se você deseja saber melhor o significado desse termo nos seguros em gerais, continue lendo este material!

O que é sinistro?

Dentro do contexto de um seguro, um sinistro é o evento que desencadeia a ativação da proteção que você contratou.

Na prática, o sinistro é o incidente que está descrito no contrato do seu seguro, não importando se ele é para carro, vida, casa (incêndio) ou outras situações.

Quando ocorre um sinistro, a empresa de seguros terá que indenizar o cliente ou implementa a cobertura estipulada, seguindo as circunstâncias, os termos do contrato e os valores acordados para eventuais franquias.

No Brasil, a regulação do mercado de seguros está sob a responsabilidade da Susep ( Superintendência de Seguros Privados ), que define sinistro da seguinte maneira “representa a ocorrência do risco coberto, durante o período de vigência do plano de seguro“.

Como funciona o sinistro?

O sinistro funciona da seguinte maneira, imagine que você esteja com seu automóvel e por consequência alguém bata de forma involuntária no veículo. Sendo assim, o momento da batia que é considerada como o sinistro.

De forma resumida, o incidente envolvendo a batida que foi responsável pelo acionamento do seguro. Portando, o exato momento da batida que é considerado o sinistro nesse hipotético exemplo.

Por outro lado, vale lembrar que existem diferentes ocorrências que podem acionar o sinistro e que vamos falar mais em frente. continue a leitura!

Quem é o responsável por acionar o sinistro?

Quando se trata de abrir um sinistro, a responsabilidade recai sobre o segurado. O sinistro, que nada mais é do que o evento previsto na apólice de seguro que desencadeia a necessidade de proteção ou assistência, demanda a ação direta do titular do seguro.

Assim, é o próprio segurado quem dá o primeiro passo, entrando em contato com a seguradora para informar sobre o incidente ocorrido. A finalidade é desencadear o processo de avaliação para posterior indenização, suporte ou cobertura, conforme estipulado.

Nos seguros patrimoniais, a figura do beneficiário pode variar. A sua identidade depende das circunstâncias do sinistro, podendo ser o titular do seguro ou outra pessoa, dependendo da natureza do evento e das perdas associadas.

Contudo, é importante lembrar que os benefícios relativos a um sinistro devem estar completamente explícitos no contrato de seguro.

Além disso, diferentes tipos de sinistros podem requerer documentações específicas para dar sequência com o pedido e autorizar o pagamento da indenização ou a ativação da cobertura.

Geralmente, os documentos mais solicitados incluem:

  • Boletim de ocorrência: necessário em situações que envolvem danos reportados às autoridades competentes.
  • Laudos médicos: essenciais para comprovar lesões ou problemas de saúde relacionados ao sinistro.
  • Certidão de óbito: crucial em casos de sinistros que abrangem seguros de vida.

Também apresente os documentos de identificação do segurado e de terceiros envolvidos: auxiliam na comprovação das partes relacionadas ao evento.

Exemplos com diferentes tipos de sinistros

Agora que você está familiarizado com o que é um sinistro, seu funcionamento e quem é responsável por ativá-lo, vamos apresentar alguns exemplos práticos de ocorrências que se enquadram como sinistros.

Conforme já discutido, um sinistro abrange uma variedade de eventos e pode se manifestar em diferentes categorias de seguros. Abaixo, listamos alguns exemplos ilustrativos:

Seguro de automóvel

Conforme a apólice e cobertura contratada, os principais eventos do seguro auto é:

  • Roubo ou furto do veículo;
  • Colisão ou acidente de trânsito;
  • Descarga da bateria, exigindo assistência;
  • Pneu furado, requerendo reboque;
  • Até mesmo, danos aos vidros e para-brisas;

Seguro de vida

Já no seguro de vida, esses eventos abaixo são os mais comuns:

  • Falecimento natural do segurado;
  • Doenças graves especificadas na apólice;
  • Invalidez parcial ou total decorrente de acidente;
  • Assistência para despesas funerárias.

Seguro residencial

Por outro lado, no seguro residencial podem ocorrer diversos danos ao imóvel como

  • Danos ao imóvel do segurado causados por incêndio;
  • Prejuízos resultantes de queda de raios;
  • Impactos decorrentes de enchentes;
  • Danos ocasionados por eventos climáticos adversos;
  • Outras situações especificadas no contrato.

Todas essas situações exemplificam eventos que podem ser considerados sinistros dentro de diferentes modalidades de seguros. Cada tipo de sinistro possui requisitos e detalhes próprios, que devem estar claramente definidos no contrato de seguro.

Dessa forma, a compreensão dos exemplos de sinistros ajuda os segurados a entenderem as circunstâncias em que podem acionar sua cobertura e buscar a assistência necessária junto à seguradora.

Conclusão

Em resumo, “sinistro” refere-se a um evento previsto no contrato de seguro que desencadeia a necessidade de proteção ou assistência.

Essa ocorrência pode variar de acordo com o tipo de seguro, englobando situações como acidentes, danos, falecimentos e outras circunstâncias especificadas.

O segurado é responsável por comunicar o sinistro à seguradora para acionar os benefícios contratados.

VEJA MAIS RELACIONADO:

Flávio Coelho

Meu nome é Flávio Coelho e ensino através do site Finanças Guiada tudo relacionado a negócios, cartão de crédito e finanças.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *